January 16, 2017

Menos uma bigorna

Hoje foi mais ou menos assim. Não me disseram isto de uma forma tão literal, mas disseram-me. Uma sombra que me pairava de vez em quando na cabeça, deixou de existir (finalmente).  Já se tinham passado mais de cinco anos e eu simplesmente ia ignorando que deveria ir ao senhor doutor perceber se tinha ou não aqui um problemazito para resolver. Aos que gostam de mim, não, não tenho problema nenhum. Aos que não gostam, não, também não tenho problema nenhum. E estou realmente feliz com isso. Talvez quando se trate dos outros seja mais fácil mandá-los ao médico ou fazer os exames ou dar um simples raspanete. Quando nos calha a nós, a coisa é mais chata e em alguns casos demorada. Mas não façam como eu, cinco anos dá para muita coisa. Sobretudo para a mente divagar demasiado. Por isso, adeus bigorna que pairavas por cima da minha cabeça. Estou bem, não sei se me recomendo, vá, recomendo-me. Hoje pelo menos.

[quem convive comigo saberá que não estou a falar só por falar, quem não convive, acredite apenas. acredite que nem sempre é fácil ir ao médico e que é normal ter medo que algo corra mal, mas é preciso ir. hoje foi o dia de ir e de sair de lá com uma bigorna a menos.]

January 15, 2017

Como anda o meu aparelho? E o sorriso?


Ao que parece o meu aparelho continua no mesmo sitio e está de boa saúde. O sorriso, esse, acho que também está. Sim podia estar melhor, é verdade, mas está muito bom! Apesar de ainda ter uns longos meses pela frente, não me posso queixar. Só se me queixar de mim mesma no que toca ao aparelho. Como tenho andado a dizer-vos nos últimos meses, andar a tentar descruzar a mordida tem sido a tarefa mais difícil que me deram desde que comecei os meus tratamentos. É uma preocupação minha, é quase obrigar-me a mim mesma a pôr-me a sofrer de dores, e infelizmente eu já sou dotada em ter dores de cabeça, ter dentes a ser puxados ainda faz pior e a verdade é que não reajo muito bem a isso. Sei que é parte do processo, mas acabo por levar o dobro do tempo a fazê-lo. 

Se podia ser diferente? Podia. Aliás, uma das hipóteses que todos temos para agilizar o processo é a colocação do expansor. No meu caso num mês estava tratado. Mas acho que nem quero pensar nas dores desse mês inteiro. De qualquer modo, e se ao fim de algum tempo me aperceber que não há outra forma de o fazer, terá de ser. E sim, eu sei que parece que me vou desculpando a mim mesma com uma série de coisas que têm acontecido, mas a verdade é que há dias em que realmente nem isso apetece fazer. Ninguém tem culpa, só eu serei a culpada desta situação. 

A nível médico está tudo a correr lindamente. Estou extremamente contente com a ortodontista que me tem acompanhado e já me ajudou bastante. O trabalho mais difícil para já cabe-me a mim. A predispor-me. Mas aceito ideias vossas. De certeza que há por aí alguém que já passou por isto! Tinham ou têm alguma técnica? Se sim, passo à frente e digam-me tudo, porque eu já estou mesmo por qualquer coisinha! 

...E já agora, despeçam-se lá do domingo e boa segunda-feira!

January 12, 2017

E viveram felizes para sempre! [um blog sobre casamentos]


Tenho para mim que irão apaixonar por este blog assim que o abrirem pela primeira vez. É um blog fofinho, percebem? Chegou há blogosfera à pouco tempo, mas está a preparar-se para fazer grandes viagens. Eu tive apenas e só a sorte de me cruzar com a autora que me permitiu dar-lhe vida. O desejo já lá andava há muito tempo. Criar um blog com todo o mundo dos casamentos, quem sabe um dia, transportá-lo para além dos monitores, dos ecrãs, destas novas tecnologias e dar-lhe vida. Quem sabe, não é? Espero sinceramente que a autora consiga. Acho que iria ser um projeto muito bonito, criado pelas mãos de alguém que adora casamentos e que me parece viver este mundo de uma maneira muito particular e pessoal! Sabem, quando fazemos as coisas mesmo de coração? Parece-me que este será um desses casos!